A+ A-

Pará de Minas e Região


Pará de Minas e Região - 20/04/2017    Comentar   Facebook
Fechar

Comentar

Vereadores questionam: prefeitura quer fazer mais com menos, mas tira diretoras do cargo e passa a ter despesa dobrada

Capa

Não é só a saúde pública que vem esquentando os debates políticos de Pará de Minas nesses últimos dias. Também há denúncias na área da educação. 

Os ânimos políticos também andam acirrados em Pará de Minas, no que diz respeito ao setor da Educação. Nesse caso, o pivô é a contratação de diretores na rede municipal de ensino e o respectivo remanejamento de antigas gestoras para a sala de aula. 

Seria uma mudança rotineira, não fosse a incoerência da medida tomada pela Secretaria de Educação e o discurso do prefeito Elias Diniz em fazer mais gastando  menos, nesse momento de crise financeira. De acordo com denúncias de vereadores, seis ex-diretoras escolares voltaram a dar aulas, cumprindo jornada de quatro horas diárias. 

Mas como elas são apostiladas, ou seja, têm direito adquirido, continuam recebendo o salário integral do cargo que ocupavam. Esse remanejamento está custando aos cofres municipais cerca de R$ 50 mil, sem contar os salários que estão sendo pagos aos atuais diretores. 

Os vereadores  Gladstone Correa Dias e Marcus Vinícius Rios criticaram a medida:A resposta da prefeitura veio pelo secretário de Comunicação, Paulo Duarte, já que Marluce Souza, titular da Secretaria de Educação, não gosta de falar publicamente. Ele explicou que as alterações nas escolas podem ser consideradas como um remanejamento natural, sendo comuns no processo de mudanças de toda gestão. 

Garantiu que não há prejuízos para os profissionais remanejados, nem para o funcionamento das escolas e muito menos para os cofres públicos.Paulo Duarte também lembrou que a direção escolar é cargo de confiança, daí a necessidade das trocas para que o prefeito possa contar com profissionais mais alinhados ao seu modelo de gestão. 

A explicação é boa mas não convenceu os vereadores, tendo em vista que os seis ex-diretores em questão são altamente profissionais e hoje a prefeitura gasta duas vezes para mantê-los na sala de aula e os atuais na direção das escolas.